quinta-feira, 7 de fevereiro de 2008

Kosovo

Temo-nos concentrado, nas últimas semanas, nas eleições primárias nos EUA, enquanto, noutros lados do mundo, muitas outras coisas acontecem ou estão à beira de acontecer. Fevereiro promete, ser, de facto, um mês muito interessante, principalmente na Europa. O Kosovo deve, numa questão de dias, declarar a sua independência. A Sérvia, antecipando essa declaração, e numa última tentativa de a evitar, recusou-se a assinar um Acordo interino com a UE, que lhe daria, nomeadamente, preferências comerciais (e pouco mais, já que a Holanda se recusou a oferecer a Belgrado um Acordo full-fledged). A Rússia, entretanto, mantém a pressão nas NU, chamando a atenção para a suposta ilegalidade da missão que a UE pretende mobilizar para o Kosovo e alertando o SG Ban Ki-Moon para que não dê o seu apoio a essa missão. Tudo isto depois da imprensa eslovena ter divulgado um relato de um encontro de Dezembro passado entre o Director Político do MNE da Eslovénia e os seus interlocutores nos EUA, em que a futura Presidência da UE e um dos mais fortes apoiantes da independência kosovar decidiam sobre a estratégia a seguir quando Pristina se declarar livre de Belgrado.
Em suma, vamos estar atentos, até porque este é um dos mais sérios testes à unidade europeia e se é certo que alguns Estados-membros não vão reconhecer a independência (a Roménia e o Chipre já o disseram abertamente), é importante perceber se essa posição vai obstar a que a União se envolva seriamente na região, evitando uma escalada perigosa das tensões.

1 comentário:

Niccolo disse...

De facto, a coisa (leia-se independencia do Kosovo) promete! Vamos ver como se alinham as potências europeias, e sobretudo qual vai ser a posição de Portugal neste embróglio... Pede-se contenção e pouco excitamento, mas com o Sócrates... é mais fanfarra e charanga!