quinta-feira, 1 de novembro de 2007

Um mundo que nos separa

Os EUA ofereceram-nos esta semana dois espectáculos em tudo diferentes, que sublinham bem a diferença que existe entre o eleitorado norte-americano e o europeu.
Primeiro foi o Presidente Sarkozy que, depois de inquirido pela CBS sobre a sua mulher (ainda antes do anúncio público de divórcio), abandonou, para espanto da jornalista e gáudio dos espectadores, uma entrevista a meio. Registo aqui.

Depois foi o Senador Barack Obama a dar um show de dança num talk-show de Ellen Degeneres (agora remetida à day-time TV). Registo aqui e apreciação popular aqui. Isto depois da sua mulher ter publicamente revelado que o Senador deixa a roupa espalhada pela casa e que ressona de noite.

Estes dois exemplos ilustram bem o quão diferentes e separados são o universo político e eleitoral norte-americano e europeu. Aqui, no velho continente, a ninguém passaria pela cabeça, numa entrevista daquela índole (o 60 Minutes não é o Caras Notícias!), perguntar a um candidato pela sua mulher. Lembram-se dos boatos sobre o PM nas legislativas de 2005? Nem aí isso foi tópico de discussão nas televisões. Nos EUA, pelo contrário, a vida privada é tão ou mais importante do que o registo de actividades públicas. Do lado de lá do Atlântico, pensa-se que importa não só o que se faz enquanto titular de um cargo, mas também no que se faz enquanto se ocupa o cargo.

2 comentários:

canetas disse...

E uma opinião sobre o assunto?

O texto é óptimo porque retrata bem os diferentes contornos dados à ligação entre a vida privada e o exercicio do poder público nos EUA e na Europa(assunto esse que é extremamente interessante).

Mas falta o cutting-edge da opinião do autor. Fica a sugestão.

Cumprimentos

Sebastião disse...

Caro(a) Canetas,
Obrigado, antes de mais, pelo seu comentário. Pensei que a minha opinião sobre o assunto teria ficado clara, senão de forma explícita, pelo menos nas entrelinhas do texto. Em qualquer caso, o objectivo do post não era tanto o de exprimir a minha opinião, mas a de chamar a atenção para alguns fenómenos associados a uma temática a que nem sempre se presta especial atenção, mas que, como disse, é extremamente interessante.
Para ficar claro: acho que no Velho Continente ainda temos algum pudor em misturar vida pública com vida privada. A meu ver, bem!
Obrigado pela sua visita!